A anti-Igreja que prega um anti-Evangelho: Católicos americanos tem percebido um crescente aumento da aceitação do homossexualismo dentro das paróquias.

Publicado no dia 16 Junho 2017

Eclesiásticos querem reconhecer o homossexualismo como modo de vida válido dentro da Igreja?

16.06.2017 -

n/d

O cardeal Joseph Tobin disse ao New York Times que teria sido "revocado" dele para mencionar qualquer coisa sobre o pecado aos "peregrinos LGBT", que ele pessoalmente recebeu em uma Missa da Catedral mês passado.

No domingo, 21 de maio, o Cardeal estava à disposição na Basílica do Sagrado Coração da Catedral de Newark para receber pessoalmente os homossexuais na chamada "Peregrinação LGBT".

n/d

O cardeal Tobin é um número cada vez maior de sacerdotes e prelados que agora desafiam o ensino perene da Igreja Católica sobre o significado e propósito da sexualidade humana.  

As palavras e ações de Tobin para os "peregrinos LGBT" voam em face da repreensão recente do Cardeal Sarah sobre seus colegas sacerdotes e bispos, onde os exortou a serem fiéis aos magistrados ensinamentos sobre a homossexualidade. 

O cardeal Sarah disse que há coisas no Catecismo sobre a homossexualidade, que alguns membros do clero escolhem não citar, incluindo o aviso claro: "sob nenhuma circunstância podem ser aprovados os atos homossexuais". (CCC 2357)

"O respeito e a sensibilidade que o Catecismo nos chama com razão, não nos dão permissão para aprovar homens e mulheres que vivenciam a atração do mesmo sexo".

A "Missa de Peregrinação LGBT" foi um gesto significativo, informou o New York Times, "por causa do simbolismo de um cardeal que acolhe um grupo de católicos homossexuais, alguns dos quais eram casados ​​com cônjuges do mesmo sexo, para participar do Sacramento do Santa Comunhão numa Catedral.

n/d

A recepção incondicional do cardeal Tobin aos "peregrinos LGBT" é facilmente vista como um outro passo no que os críticos dizem em uma aceitaçã da noção de que a homossexualidade ativa deve ser reconhecida como um modo de vida válido dentro da Igreja.

Mas a Igreja Católica ensina que os atos homossexuais são "contrários à lei natural" e que "fecham o ato sexual ao dom da vida". A Igreja ensina, também, que, enquanto a Escritura apresenta atos homossexuais como atos de "depravação grave", os indivíduos com atração do mesmo sexo devem ser aceitos com respeito, compaixão e sensibilidade, mas também que são chamados a "castidade". A Igreja Católica também ensina que aqueles que cometem pecado grave, correm o risco de ser condenados por Deus e perder a Vida Eterna.

A Igreja chama os católicos, inclusive aqueles que lutam contra a atração do mesmo sexo, para unir seus sofrimentos com Cristo e que a salvação vem do arrependimento e do afastamento do pecado.

Alguns outros sacerdotes e bispos (americanos), que apoiam a aceitação da homossexualidade dentro da Igreja...

Padre James Martin, SJ , editor em grande escala para a revista jesuíta da América e recentemente nomeado por Francisco, como um consultor de comunicações do Vaticano, que acaba de publicar seu livro pró-homossexual, Building a Bridge. (inclusive declarou: Os católicos podem ter uma surpresa quando eles chegarem ao Céu para serem saudados por homens e mulheres homossexuais. Alguns dos Santos são provavelmente gays)

O arcebispo Vincenzo Paglia, agora ao comando da Academia Pontifícia para a Vida e do Instituto Pontifício do Papa João Paulo II para Estudos sobre Casamento e Família, que pagou um artista homossexual para pintar um mural homoerótico em sua igreja catedral em 2007. O mural inclui uma imagem do próprio arcebispo encostada a um homem semi-nu. (ver aqui e acredite se quiser!!)

O cardeal Kevin Farrell, recentemente nomeado pelo papa Francisco para dirigir o escritório do Vaticano sobre leigos, familiares e questões de vida, que pediu aos sacerdotes de sua cidade que abraçem "famílias LGBT".

A diocese de San Diego, anunciou recentemente que o Eclesiástico John Dolan, que apóia a causa LGBT, foi nomeado pelo Vaticano para ser um bispo auxiliar. Dolan já havia sugerindo que não havia nenhum problema com o "casamento" homossexual na igreja católica.

Patrick J. Conroy, capelão dos jesuítas da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos , que sugeriu que o ensino católico sobre homossexualidade é "desatualizado", chamando-o de "um beco sem saída". Ele afirmou que o "casamento" homossexual é o único caminho para a felicidade de pessoas do mesmo sexo.

Paroquianos católicos em alguns dos principais centros urbanos (americanos) também percebem um crescente aumento da aceitação do homossexualismo dentro das paróquias. 

Por exemplo, na Arquidiocese de Baltimore, a Paróquia de São Mateus vem promovendo a homossexualidade e a chamada "compatibilidade" com o catolicismo há anos.

Na Arquidiocese de Nova York, os líderes dos "ministérios gays e lésbicas" em três paróquias separadas criticam abertamente o ensino católico sobre moralidade sexual, dizendo que suas escolhas de estilo de vida são parte de como Deus os criou.

Fonte: www.lifesitenews.com  (artigo traduzido)

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Por Dilson Kutscher

Deus é Amor, mas também é Justo Juiz. Ultimamente muitos religiosos e leigos católicos, querem somente destacar o DEUS Amor, o DEUS Juiz, eles querem esquecer, sabe por quê? Porque querem esquecer também a palavra pecado, querem abolir o pecado e transformá-lo em algo perfeitamente aceitável na sociedade do fim dos tempos, onde tudo é permitido, então, usam a justificativa do Deus Amor, que não condenará ninguém.

Isto é exatamente o que se passa com Francisco, ele e seus bispos progressistas mundanos, pregam uma misericórdia apenas de aparências, mas sem a necessidade de uma verdadeira conversão dos pecadores. A nova misericórdia declara apenas que Deus os ama, não importa que caminho sigam, não importa que continuem pecando e permaneçam em seus pecados, pois, todos se salvam. Deus é Amor, esqueçam o Deus Justiça, Justo Juiz. (não havendo um Deus que condena, não existe mais condenação ou castigo, logo, não existe mais inferno, é uma anti-igreja pregando um anti-Evangelho)

Mas, diz na Sagrada Escritura:

"Não digas: A misericórdia do Senhor é grande, ele terá piedade da multidão dos meus pecados, pois piedade e cólera são nele igualmente rápidas, e o seu furor visa aos pecadores". (Eclesiástico 5, 6-7)

Declarou Santo Tomás de Aquino: "O vício sensual contra a natureza (nomeadamente o homossexualismo) é o maior pecado entre todas as espécies de luxúria".

Declarou São Pedro Damião: “Este vício não pode ser considerado como um vício qualquer, porque supera a gravidade de todos os outros vícios. Este, de fato, mata o corpo, arruína a alma, contamina a carne, extingue a luz do intelecto, expulsa o Espírito Santo do templo da alma”. (Opúsculo Sétimo. PL 145, coll. 161-190)

Disse São Pio X:  “O pecado contra a natureza clama a vingança diante de Deus”. (Catecismo, n. 966)

A rebelião contra Deus: o ser humano não aceita que foi criado homem e mulher, e por isso diz: "Eu decido! Esta é a minha liberdade!"

"Quebraste desde o princípio o meu jugo, rompeste os meus laços, e disseste: não servirei". (Jeremias 2, 20.)

"Por minha vida - oráculo do Senhor Javé, não me comprazo com a morte do pecador, mas antes com a sua conversão, de modo que tenha a vida. Convertei-vos! Afastai-vos do mau caminho que seguis; por que haveis de perecer, ó casa de Israel". (Ezequiel 33, 11)

"Ele lhes disse: Vós pretendeis passar por justos perante os homens, mas Deus conhece-vos os corações: porque o que para os homens é estimável, é abominável perante Deus". (São Lucas 16,15)

"Não te deitarás com um homem, como se fosse mulher: isso é uma abominação". (Levítico, 18, 22) e vice-versa.

"Acaso não sabeis que os injustos não hão de possuir o Reino de Deus? Não vos enganeis: nem os impuros, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os devassos". (I Coríntios 6, 9)

"A reunião dos pecadores é como um amontoado de estopas: seu fim será a fogueira. O caminho dos pecadores é calçado de pedras unidas, mas ele conduz à região dos mortos, às trevas e aos suplícios". (Eclesiástico 21, 10-11)

"Mas os céus e a terra que agora existem são guardados pela mesma palavra divina e reservados para o fogo no dia do juízo e da perdição dos ímpios". (II São Pedro 3, 7)

"Desse modo, serão julgados e condenados todos os que não deram crédito à verdade, mas consentiram no mal". (II Tessalonicenses 2, 12)