Cardeal alemão, Rainer Maria Woelki, condena missa ecumênica

Publicado no dia 05 Dezembro 2017

05.12.2017 -

A presença real é uma “certeza incontestável” para os católicos, afirmou o cardeal Rainer Maria Woelki [foto], de Colônia.

n/d

Ele explicou ao Kölner Express que a Eucaristia não é para os católicos uma refeição comum, mas o verdadeiro Corpo e Sangue de Cristo sob as aparências de pão e vinho. Como se sabe, os protestantes não têm esse entendimento.

Esses comentários do cardeal Woelki surgem quando circulam rumores na mídia de que as autoridades do Vaticano estão preparando secretamente uma missa ecumênica da qual os católicos e os protestantes podem participar juntos.

Como advertia Plinio Corrêa de Oliveira, “os escritores católicos têm insistido — muitas vezes com menos energia do que seria mister — sobre o nexo íntimo que liga a pseudo-Reforma protestante e o humanismo pagão à Enciclopédia e ao livre pensamento voltairiano, e, por sua vez, a Enciclopédia e o livre pensamento à Revolução Francesa e ao comunismo”. 

Lutero atacou o celibato dos padres ao se casar em 1525 com a ex-freira Katharina von Bora. Esta união estabeleceu uma reforma dentro da Reforma Protestante, pois denominações como os metodistas, por exemplo, passaram a aceitar pastoras 200 anos atrás. Mais recentemente, apesar de um enorme protesto das alas mais conservadoras, a Igreja Episcopal nos EUA começou a ordenar sacerdotes LGBT.

Como exemplo da maldade do protestantismo, convém recordar que 17 mil pastores protestantes juraram obediência irrestrita a Hitler.

Por Leo Daniele  -  www.abim.inf.br