Após o encontro com Francisco, o cardeal Zen diz que o Vaticano "vendeu" a Igreja na China (aos comunistas)

Publicado no dia 09 Fevereiro 2018

09.02.2018 -

O cardeal Joseph Zen acusou o Vaticano de "vender" a Igreja Católica na China.

n/d

Em um post em seu site, o ex-Bispo de Hong Kong disse que o Papa Francisco ofereceu palavras de consolo à Igreja "subterrânea" no país em uma audiência privada no início deste mês. No entanto, o cardeal ainda pensa que o Vaticano está trabalhando contra a Igreja.

Um relatório sobre a AsiaNews na semana passada disse que uma delegação do Vaticano pediu a um bispo "subterrâneo" para renunciar e outro a aceitar a rejeição. A delegação queria que bispos excomungados apoiados pelo governo os substituíssem.

O cardeal Zen confirmou este relatório, dizendo: "Sim, até onde eu sei, as coisas aconteceram exatamente como estão relacionadas na AsiaNews".

 "O Vaticano pede aos bispos chineses subterrâneos que se afastem para os apoiados pelo governo "

n/d

Um dos bispos subterrâneos, Dom Zhuang, pediu ao Cardeal Zen para transmitir suas palavras ao Papa. O cardeal então viajou para Roma para que ele pudesse entregar pessoalmente uma carta ao Papa Francisco. Ele conseguiu fazer isso depois da Audiência Geral Semanal em 10 de janeiro.

Mais tarde naquele dia, ele recebeu um telefonema dizendo que o papa Francisco o receberia em audiência privada na sexta-feira, 12 de janeiro. O cardeal Zen disse que durante essa audiência, ele perguntou ao papa Francisco se ele tinha tido tempo de "examinar o assunto".

O Papa respondeu: "Sim, eu disse a eles para não criarem outro caso Mindszenty!"

Cardeal Mindszenty foi arcebispo de Budapeste durante a ditadura comunista da Hungria. O regime o aprisionou, mas ele conseguiu fugir para a embaixada americana durante o levante anticomunista de 1956.

No entanto, sob a pressão do governo comunista, a Santa Sé disse ao Cardeal para deixar o país e substituí-lo por um sucessor mais ao gosto do governo.

O cardeal Zen disse que as palavras do papa "devem ser entendidas como consolação e encorajamento mais para [os católicos sofredores na China] do que para mim".

Apesar da tranquilidade, o cardeal diz que não é otimista: "Penso que o Vaticano está vendendo a Igreja Católica na China? Sim, definitivamente, se eles forem na direção que é óbvio por tudo o que estão fazendo nos últimos anos e meses ".

Ele conclui em uma nota desafiadora: "Eu sou o principal obstáculo no processo de alcançar um acordo entre o Vaticano e a China? Se isso for um problema ruim, ficaria mais do que feliz em ser o obstáculo ".

Fonte: catholicherald.co.uk  via  sinaisdoreino.com.br