Noite Escura na Igreja: Muitos eclesiásticos acreditam no que eles amam, mas eles só amam o mundo e seu espírito conciliatório com o mal

Publicado no dia 12 Abril 2018

11.04.2018 -

n/d

Nada será o mesmo novamente. Nós dissemos muitas vezes neste blog. Depois deste pontificado, tudo terá mudado.

Será difícil confiar nesses padres, bispos e leigos, que queriam nos convencer de que nada estava errado, é difícil confiar nossa alma a tantos sacerdotes que estão em silêncio, como "cães mudos", com todo este caos e confusão na Igreja.

Antes de Francisco tentou-se manter a seriedade, mas com Francisco, tem sido impossível manter a compostura. Um vendaval é um vendaval e os responsáveis ​​por manter o depósito da fé em todas as esferas da vida, não só na moralidade sexual e conjugal, não conseguiram manter as ovelhas a salvo do lobo. Para alguns liberalismo tem sido a sua segunda religião, separadas das Leis de Deus.

Agora é o que temos, católicos, padres e leigos, como "esquizofrênicos", tentando combinar uma coisa e outra em suas cabeças. Em essência, como o apocalipse diz, eles se renderam à marca da besta e mesmo se eles se chamam cristãos, eles carregam (antecipadamente) a marca da besta em suas mãos e em suas testas (em seu comportamento e em seus pensamentos). Eles cederam  ao mundo e querem ser "amados" pelo mundo.

Muitos deles flertam com o mundo em questões de pureza, de espetáculos, de leituras, de dar o microfone e a cadeira às pessoas que atacavam e atacam a Igreja. Já vimos isso em faculdades e universidades católicas.

No final, eles deixaram claro que só se importam, com o que o mundo se importa. O ambiente, o feminismo "moderado", os direitos dos animais e o degelo do pólo norte ... Isso está sempre construindo pontes. (pontes meramente mundanas)

Francisco deixou claro que, se ele quer que algo seja conhecido, ele vai conseguir. Através de seus porta-vozes ou através de seus "oráculos" ou através de si mesmo. No final, será conhecido e os fiéis não saberão por que o fazem. (porque concordaram com os erros e rejeitaram a Verdade)

É claro que os papólatras permanecem calados, enquanto os fiéis terão que suportar negações, contradições e permaneceremos sozinhos e abandonados diante de tanto desastre.

Como muito bem diz em um artigo Ortiz de Zarate sobre a situação difícil que estamos passando:

"Agora, são os "pastores" (religiosos)  e não os governantes que propagam crimes (desrespeito/apostasia) contra Cristo e a Lei Natural, impregnando todas as realidades do mundo, contra o espírito do Evangelho dado, substituindo este "sagradonespírito", com uma nova ideologia mundana, que invade tudo. Eles acreditam no que eles amam, mas eles só amam o mundo e seu espírito conciliatório com o mal. Este novo espírito de parece  ter eclipsado a Igreja de Cristo e submergido na escuridão e confusão".

Como podemos confiar em um padre, bispo, cardeal que não nos adverte desses perigos? 

"Vivemos  em tempos sombrios em que dá a impressão de que o "sol" já não brilha e que tudo parece perdido. Mas isso, em vez de nos desencorajar , deve nos encher de esperança, porque o Triunfo de Cristo e da sua Igreja estão mais próximos. E esse Triunfo será o Triunfo sobre o Vaticano II, sobre o Modernismo e sobre todos aqueles que, por omissão, permitem que os inimigos de Cristo causem tantos danos à Igreja.

Temos a promessa de Jesus Cristo de que  as "portas do infern"o não prevalecerão contra ela. (Mt 16, 18). O que nos resta é rezar e apegar-se, mais do que nunca, à Tradição e ao ensinamento doutrinal e moral transmitido pela Igreja durante séculos; É aí que encontraremos a Verdade".

Visto em: religionlavozlibre.blogspot.com.br  via  www.rainhamaria.com.br

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

"Não é possível deixar de fazer uma escolha, mas esta escolha não é entre obediência e desobediência, mas o que nos propõe, o que expressamente nos convidam, porque nos perseguem, é uma obediência aparente. Eu diria que temos de escolher entre uma aparente obediência – pois o Santo Padre não pode, de forma alguma, pedir-nos que abandonemos nossa fé, que é algo absolutamente impossível – e a conservação da nossa fé. Pois bem, nós escolhemos não abandonar a nossa fé, porque nela não podemos errar. A Igreja não pode estar errada no que tem ensinado durante dois mil anos, e por esse motivo nos apegamos a essa Tradição que  tem se manifestado de forma admirável e definitiva. Temos de dizer “não” a esta onda de neo-modernismo e neo-protestantismo. Não se pode dizer que se escolhe uma parte, mas deixa a outra; isso não pode ser, porque tudo está relacionado. Por esta razão, nós escolhemos o que sempre foi ensinado e fechamos nossos ouvidos às novidades destruidoras da Igreja". Retirado do livro La misa de siempre – por Arcebispo Marcel Lefebvre.

Bravos católicos, fiéis ao Rei Jesus, defendam a Verdadeira e Santa Igreja Católica, da heresia, apostasia e do falso ecumenismo, desta "anti-igreja e seu anti-evangelho, dos "lobos em pele de cordeiro".

São os Santos, Doutores e Mártires, apoiados em vinte séculos de Fé, Tradição e Santidade da Igreja, que clamam aos católicos.