Lobos em pele de cordeiro: Impressos redentoristas promovem o marxismo e o movimento 'LGBT' (gay) em paróquias

Publicado no dia 03 Julho 2018

02.07.2018 -

Do Site: www.ofielcatolico.com.br

CHEGOU-NOS A DENÚNCIA de que em algumas paróquias católicas de Teresina, PI, estão sendo distribuídos, aos paroquianos e ao povo em geral, jornais ou informativos redentoristas da vice-província de Fortaleza (são postos também junto aos folhetos de Missa) com conteúdos de forte e descarada apologia da famigerada "'teologia' da libertação" – a pior de todas as heresias da história da Igreja.

Sobre essa moderna heresia de teor marxista, que impactou profunda e especialmente toda a América Latina e já fora combatida por muitos padres, teólogos e pensadores verdadeiramente católicos e também por todos os Papas desde o seu surgimento, aconselhamos a leitura do magistral documento do cardeal Ratzinger "Eu vos explico a 'teologia' da libertação" (leia) e a série de conferências do padre Paulo Ricardo de Azevedo Jr. intitulada "Revolução e marxismo cultural" (assista).

Sim, os informativos em questão trazem explícito conteúdo ideológico marxista, com uma coletânea de discursos de teor abertamente político partidário e até a apologia do movimento "LGBT".

Entre artigos quase inacreditáveis pelo anticatolicismo, insensatez e irreverência para com o Sagrado, um traz o título: "A Paixão de Cristo na paixão dos LGBT (!)";

n/d

Outro compara, abertamente e sem rodeios, Karl Marx a Jesus Cristo (!!). Mais ainda, os textos contém inúmeras nuances heréticas, defendidas como se fossem parte da Doutrina da Igreja.

n/d

Seguindo fielmente a tradição marxista, tais conteúdos apresentam mentiras como verdades, enquanto que as autênticas verdades da fé cristã são cuidadosamente omitidas ou disfarçadas. Não se menciona, é claro, a absoluta incompatibilidade entre a doutrina marxista e o Evangelho de Nosso Senhor, que levou Papas a publicarem documentos contra o comunismo e até a decretar a excomunhão latæ sententiæ a quem o promove; menos ainda se fala das constantes zombarias e gravíssimas profanações promovidas pelo movimento LGBT à Igreja, aos símbolos sagrados católicos e à fé cristã como um todo.

Nada disso, porém, causa espanto em quem já se acostumou com o teor das postagens no site dos mesmos redentoristas de Fortaleza (veja).

Enojam, sim, aos verdadeiros fiéis católicos, mas já não causam espanto, pois o descalabro se tornou uma pavorosa rotina. Como simplesmente aceitar que tais religiosos sigam proclamando livremente a doutrina comunista, enquanto que gozam de plena comunhão com Roma, ao contrário do que ocorre, por exemplo, com os fidelíssimos padres da FSSPX, punidos pelo amor à Tradição e à Liturgia? A resposta é, no mínimo, difícil.

Víboras, cada vez mais numerosas e mais audaciosas, invadiram a Santa Igreja, tomaram os espaços, conquistaram cargos importantes – de comando – na Casa de Deus. Agora estão tomando decisões, ditando regras, controlando seminários, colégios, paróquias, dioceses inteiras. Trabalham unidos, organizada e incessantemente, com inteligência, pois os seus movimentos são orquestrados pela antiga Serpente. Inoculam sua peçonha em pobres vítimas desavisadas, que vão às igrejas com a reta intenção de guardar o preceito da Missa dominical, que procuram a Celebração Eucarística para adorar, prestar culto de ação de graças, obter a reparação dos pecados cometidos e pedir as graças de que necessitam. Mas encontram ambões transformados em palanques de políticos imundos, dissimulados, criminosos, promotores do aborto, do homossexualismo, da prostituição, da mentira e de tudo o mais que vai contra a vontade de Deus para os seres humanos.

Eu soube de um lobo vestido de cordeiro que foi levar a sagrada e preciosa Eucaristia e um desses políticos malditos, inimigos de Cristo, lá na prisão onde se encontra justamente encarcerado, tratando-o como se fosse um mártir, um santo, um paladino da justiça. Suprema profanação do Corpo de Cristo. O fato é que certos servos do diabo travestidos de religiosos e sacerdotes não amam a Igreja; na realidade, é claro como água que a odeiam, e a odeiam com todas as suas forças, porque a Igreja Corpo de Cristo representa a virtude, o bem e o belo no meio do mundo, e eles amam seus vícios, o mal e a fealdade. O Senhor Jesus pede sacrifício, mas eles sequer possuem a honestidade necessária para considerar tal coisa; querem poder continuar dando vazão aos seus prazeres imorais livremente, entregar-se aos seus pecados sem culpa, chafurdar na lama sem se preocupar com o castigo divino.

Não querem saber do Cristo que é a Verdade, por isso construíram um espantalho com vestidos de revolucionário e o puseram em seu lugar. Pior, já nem temem a luz: o que fazem é escancarado, jogam-nos nas faces suas blasfêmias e imundícies. E riem.

Já conheço dignos padres (evidentemente não citarei nomes) que chegaram a me aconselhar não participar de certas celebrações da Missa que mais se traduzem em agravos a Nosso Senhor do que na renovação do Sacrifício do Calvário. Entre participar de uma verdadeira profanação e rezar em casa, no secreto do lar, talvez seja melhor mesmo a segunda opção. Quem vive nos grandes centros tem ainda a possibilidade de procurar os poucos lugares onde melhor se celebre. E quem não possui tal acesso? Estamos diante de um imenso rebanho de ovelhas sem pastor, como disse Nosso Senhor (Mc 6,34).

Mas o Senhor diz também: "Minha é a vingança" (Rm 12,19). Tenhamos bom ânimo! Ele, que expulsou os vendilhões do Templo, já venceu o mundo (Jo 16,33) e virá, para os que têm fome e sede de justiça (Mt 5, 6); no fim, cada um de nós terá que se apresentar diante d'Ele e prestar contas. Pela fé, sabemos que aqueles que perseverarem até o fim –, em meio a toda a apavorante tempestade –, serão salvos (Mt24,13). Vele por nós a Santíssima Virgem!

Por Henrique Sebastião - Imagens por José Ribas Netto

Fonte: www.ofielcatolico.com.br