Escritor católico Peter Kwasniewski: Se Francisco encobriu os abusos sexuais do Cardeal McCarrick, ele não é nem "santo" nem "papa".

Publicado no dia 06 Setembro 2018

Eventos desmascaram cada vez mais Francisco como cúmplice da máfia gay eclesiástica

05.09.2018 -

Por Peter Kwasniewski

Será que vamos nos surpreender com o testemunho detalhado do arcebispo Carlo Maria Viganò sobre o encobrimento do ex-cardeal McCarrick pelo papa Francisco? 

Desde o primeiro momento de seu pontificado, Francisco expressou desprezo pelas tradições papais, demonstrando sua falta de respeito pelos deveres e limitações do cargo. Suas celebrações minimalistas e sem brilho da Missa implicavam que, para ele, a liturgia não era "a fonte e o ápice da vida cristã".

Suas insuportáveis ​​homilias, em muitos casos suspeitas de heresia, revelaram uma mentalidade não católica. Suas respostas desajeitadas em entrevistas para a imprensa semearam confusão sobre as doutrinas cristãs fundamentais. O "quem sou eu para julgar?" Apareceu em todos os jornais e terminou em milhares de mensagens inter-étnicas que ofereciam uma mensagem de libertação dos Mandamentos de Deus. O doce nome da "misericórdia" foi usurpado com vistas a um plano de secularização. Fariseu  tornou-se a palavra favorita para zombar de qualquer um que ainda acreditasse na Bíblia ou em uma versão identificável do cristianismo.

Sínodos sobre a família com sua conseqüência - Amoris laetitia- , manipuladas pelo Papa, autoritariamente explicitada através de "orientações" foi premiado com honras papais para a normalização das "relações adúlteras". Mudanças nos processos de anulação foram introduzidos para acelerar a concessão do divórcio. Conhecidos anti-católicos foram convidados para o Vaticano, onde foram concedidos pódio e aplaudidos.

As condenações do papa à homossexualidade nunca foram ambíguas; a doutrina tradicional parecia seguir o caminho do despejo, como a pena de morte (se você não gosta do que ele ensina a Tradição da Igreja, você só tem que mudar o Catecismo, dizendo que o "abracadabra, que a doutrina desenvolve" palavras mágicas) .

E agora esta notícia chega até nós, que com toda a lógica reverberou em todo o mundo como um choque sísmico, o estupor coletivo antes do alcance da impiedade nas mais altas esferas.

Não é só que não há justiça na Casa Santa Marta; aí está o que parece ser uma resolução calculada e premeditada para apoiar, promover e exaltar a injustiça. É mais do que uma tendência à cumplicidade; nos níveis mais altos do Vaticano, o mal é "fabricado" em série, com uma eficiência que surpreenderia Henry Ford. O curso inexorável dos eventos "desmascara" cada vez mais Francisco como cúmplice da máfia (gay) rosa, cujas garras de burocracia efeminada estão estrangulando a Igreja militante. Com Bergoglio o Vaticano tornou-se uma fossa em que foram misturadas e concentradas atitude acomodatícia ao mundo estabelecido pelo Concílio Vaticano II e as piores idéias e comportamentos de rebelião pós-conciliar.

Hoje, à luz das revelações de Viganò e de muitas outras provas, colabora o que foi dito e o que milhares de declarações semelhantes dizem. Ele não dá o menor sinal de ser um santo, nem se comporta como um papa. Um papa santo não trataria os católicos como Francisco os trata. Um papa santo não levaria seu "rebanho" ao pecado em relação aos mistérios da sexualidade, do casamento e do Santíssimo Sacramento. Um papa santo não tiraniza seus filhos que encontraram inspiração espiritual na recuperação das tradições catolicas e familiares. O que sabemos é que o Senhor permitiu que este tempo de tribulação para testar e fortalecer a fé dos seus servos, para ver se tudo o que acontece será fiel à sua Revelação, os seus Mandamentos, Tradição que nos foi confiado e sua Justiça.

A Divina Providência provou fidelidade cristã em numerosas ocasiões ao longo da história da Igreja, seja através de terríveis torturas, exílio doloroso e perseguições pagãs, com a imoralidade grave e corrupção no clero, o caos doutrinal e compromisso, ou simplesmente por meio de grandes adversidades em guerras, fomes, epidemias e catástrofes que nunca serão perdidas em nosso mundo decaído. 

"Feliz o homem que suporta a tentação. Porque, depois de sofrer a provação, receberá a coroa da vida que Deus prometeu aos que o amam" (Tiago 1, 12).

(Traduzido por Bruno de la Inmaculada / Adelante la Fe. Artigo original)

Visto em: adelantelafe.com  via  www.rainhamaria.com.br