Papa Francisco sob fogo por alegar "diversidade de religiões" é "Vontade de Deus"

Publicado no dia 05 Fevereiro 2019

05.02.2019 -

Papa Francisco e Ahmad el-Tayeb, Grande Imã da mesquita al-Azhar do Egito, prestam homenagem ao túmulo dos Fundadores, Abu Dhabi, 4 de fevereiro de 2019 - Copyright Holy See Press Office.

n/d

Por Diane Montagna

ROMA, 5 de fevereiro de 2019 (LifeSiteNews) - O papa Francisco provocou mais controvérsia ao assinar uma declaração conjunta com um Grande Imã, dizendo que um “pluralismo e diversidade” de religiões é “desejado por Deus”.

O papa assinou o "Documento sobre Fraternidade Humana para a Paz Mundial e Vivendo Juntos", com Ahmad el-Tayeb, Grande Imam da Mesquita Al-Azhar do Egito, durante um encontro inter-religioso em Abu Dhabi na segunda-feira.

O evento de 4 de fevereiro fez parte da visita apostólica de três dias do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos. A jornada histórica marcou a primeira vez que um Pontífice Romano visitou a Península Arábica e pretendia promover o diálogo inter-religioso e apoiar a considerável minoria católica do país.

O documento sobre a Fraternidade Humana convida “todas as pessoas que têm fé em Deus e fé na fraternidade humana a unirem-se e trabalharem juntas para que sirvam de guia às futuras gerações para promover uma cultura de respeito mútuo na consciência da grande graça divina, isso faz de todos os seres humanos irmãos e irmãs ”.

A passagem que incita a controvérsia lê:

A liberdade é um direito de toda pessoa: cada indivíduo desfruta da liberdade de crença, pensamento, expressão e ação. O pluralismo e a diversidade de religiões, cor, sexo, raça e linguagem são determinados por Deus em Sua sabedoria, através da qual Ele criou os seres humanos. Esta sabedoria divina é a fonte da qual deriva o direito à liberdade de crença e a liberdade de ser diferente. Portanto, o fato de as pessoas serem obrigadas a aderir a uma determinada religião ou cultura deve ser rejeitado, assim como a imposição de um modo de vida cultural que os outros não aceitam.

A "vontade permissiva" de Deus?

Em um artigo de 5 de fevereiro no Catholic Herald, o Dr. Chad Pecknold, professor associado de teologia sistemática na Universidade Católica da América, em Washington, tentou minimizar a passagem controversa, dizendo que ela deve ser lida em seu contexto e perspectiva apropriados.

“A ideia de que Deus deseja a diversidade de cor, sexo, raça e idioma é facilmente compreendida, mas alguns podem achar intrigante ouvir o Vigário de Cristo falar sobre Deus querer a diversidade das religiões”, disse ele.

Pecknold observou que a passagem “é intrigante e potencialmente problemática”. Mas ele afirmou que, no contexto do documento, “o Santo Padre está claramente se referindo não ao mal de muitas falsas religiões, mas positivamente se refere à diversidade de religiões somente no sentido de que eles são evidência de nosso desejo natural de conhecer a Deus.

"Deus quer que todos os homens o conheçam através da livre escolha de sua vontade, e assim segue-se que uma diversidade de religiões pode ser dita como permissivamente desejada por Deus sem negar o bem sobrenatural de uma religião verdadeira", acrescentou Pecknold.

Um teólogo dominicano responde

Mas em comentários de hoje para LifeSite, um teólogo dominicano que desejava permanecer anônimo disse que a passagem controversa "em seu sentido óbvio é falsa, e de fato herética".

“As várias religiões dizem coisas incompatíveis sobre quem é Deus e como Ele quer ser adorado. Portanto, eles não podem ser todos verdadeiros. Portanto, Deus, que é a verdade, não pode querer todas as religiões”, explicou ele.

Respondendo àqueles que estão defendendo a declaração do papa invocando a “vontade permissiva” de Deus, o teólogo dominicano disse:

Deus permite que religiões não-católicas existam; mas permitir que algo não seja uma maneira de querer isso, é uma maneira de não querer impedi-lo. Assim Deus permite que muitas pessoas inocentes sejam mortas, mas Ele não quer. Nós não falamos sobre a vontade permissiva de Deus para que os judeus sejam gaseados, por exemplo.

O dominicano disse que achou a leitura do texto do Dr. Pecknold "uma interpretação forçada e antinatural".

"Você pode também dizer que alguém que disse que o uso de gás pelos judeus era bom significava apenas que é bom termos o conhecimento químico e fisiológico que torna isso possível", disse ele.

Outra passagem controversa?

O teólogo dominicano deu um passo adiante, no entanto, e apontou outra declaração igualmente problemática, ainda que negligenciada, no documento sobre Fraternidade Humana - desta vez sobre a fé.

O parágrafo de abertura do documento diz:

A fé leva um crente a ver no outro um irmão ou irmã a ser apoiado e amado. Pela fé em Deus, que criou o universo, criaturas e todos os seres humanos (iguais por sua misericórdia), os crentes são chamados a expressar essa fraternidade humana salvaguardando a criação e o universo inteiro e apoiando todas as pessoas, especialmente as mais pobres e mais necessitado.

“É contrário ao modo de falar da Igreja usar a frase 'fé em Deus' para 'afirmar que Deus existe', ou 'acreditar em qualquer tipo de suposta revelação, mesmo que não seja cristã', explicou o teólogo dominicano.

“Fé”, disse ele, “é a virtude pela qual Deus nos leva a concordar com o que Ele revelou através dos profetas do Velho Testamento e dos apóstolos do Novo Testamento, e acima de tudo através de Seu Filho.”

"As pessoas que acreditam em religiões não-cristãs, portanto, não o fazem pela fé, como a declaração Dominus Iesus 7 aponta, mas por algum tipo de opinião humana."

Dominus Iesus foi emitido pela Congregação para a Doutrina da Fé em 2000, sob o então prefeito cardeal Josef Ratzinger. Reafirmou o ensinamento da Igreja de que a salvação só é encontrada em Jesus Cristo e na Igreja. O parágrafo 7 do documento diz:

A distinção entre fé teológica e crença nas outras religiões deve ser mantida firmemente. Se a fé é a aceitação na graça da verdade revelada, que "torna possível penetrar o mistério de uma forma que nos permite compreendê-lo coerentemente", então a crença, nas outras religiões, é aquela soma de experiência e pensamento que constitui o tesouro humano de sabedoria e aspiração religiosa, que o homem em sua busca pela verdade concebeu e agiu em sua relação com Deus e com o absoluto (Dominus Iesus, 7).

Como discutido anteriormente aqui no LifeSite, o Vaticano II permite a possibilidade de revelações extraordinárias para os não-cristãos. De acordo com o seu decreto sobre a atividade missionária da igreja, "Deus, de maneiras conhecidas por si mesmo, pode levar os inculpavelmente ignorantes do Evangelho a encontrar essa fé sem a qual é impossível agradá-Lo" (Ad Gentes, 7).

Mas a Igreja é igualmente clara que os seguidores de outras religiões não têm a fé sem a qual é impossível agradar a Deus.

Em outras palavras, Deus pode levar o inculpável ignorante através de meios misteriosos à verdadeira fé, mas a adesão ao Islã ou qualquer outra religião não-cristã não pode constituir essa fé.

Fonte: www.lifesitenews.com  via  www.sinaisdoreino.com.br

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Disse o Arcebispo Dom Marcel Lefebvre: "Não há salvação por meio do Islão. Não há Igreja budista no Céu, nem Igreja protestante. São coisas que podem parecer duras de ouvir, mas esta é a verdade".

Declarou o Arcebispo Germano Bernardini, de Izmir, na Turquia:"Nunca devemos ceder uma igreja aos muçulmanos para o seu culto, isso é uma prova de nossa apostasia".

Pois...

Cristãos e muçulmanos não têm o mesmo conhecimento de Deus, porque eles não estão ligados à mesma Revelação, não ouvem a mesma Palavra. Contentar-se em afirmar que Deus existe e que Ele é único, é no que se resume o conhecimento muçulmano de Deus (Alá). O "Deus" do Alcorão é um ser solitário, enquanto o Deus do cristianismo é um ser de relação: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Três Pessoas tão ligadas entre Si, que são, conjuntamente e cada uma, o único e mesmo Ser Divino.  De fato, o islamismo nega não somente a Trindade, mas também a Divindade de Jesus, sua morte e sua ressurreição e, portanto, a Redenção.

Diz na Sagrada Escritura:

"Todo aquele que caminha sem rumo e não permanece na doutrina de Cristo, não tem Deus. Quem permanece na doutrina, este possui o Pai e o Filho. Se alguém vier a vós sem trazer esta doutrina, não o recebais em vossa casa, nem o saudeis. Porque quem o saúda toma parte em suas obras más". (2 João 9-11)

n/d

No Vaticano, Francisco abriu suas igrejas para muçulmanos celebrarem o Ramadan, convidaram "imans", líderes muçulmanos, para rezar nos jardins do Vaticano, beijando o Alcorão.

n/d

Lembrando... que Francisco retirou os sapatos para visitar mesquitas, colocando Maomé ao mesmo nível de Nosso Senhor Jesus Cristo, nesses sacrílegos encontros ecumênicos.

n/d

Quando os Santos, Doutores e Papas da Igreja, pudessem imaginar um "papa" orando dentro de uma Mesquita à Alá. Queiram responder os "católicos" que estão presenciando estes erros gravíssimos e mesmo assim aplaudem está apostasia escancarada a olhos vistos.

Disse Nossa Senhora do Bom Sucesso, ao tratar da propagação das heresias no Fim dos Tempos: “Tempos funestos sobrevirão, nos quais aqueles que deveriam defender em justiça os direitos da Igreja, sem temor servil nem respeito humano, darão as mãos aos inimigos da Igreja para fazer o que estes quiserem” (II, 98).

n/d

"Se, esquecendo-te do Senhor, teu Deus, seguires outros deuses, rendendo-lhes culto e prostrando-te diante deles, desde hoje vos declaro que perecereis com toda a certeza". (Deuteronômio 8, 19)

n/d

"Mas Jesus, voltando-se para ele, disse-lhe: Afasta-te, Satanás! Tu és para mim um escândalo; teus pensamentos não são de Deus, mas dos homens!" (São Mateus 16, 23)

n/d

"Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais. Como podemos conhecer o caminho?
Jesus lhe respondeu: Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim. Se me conhecêsseis, também certamente conheceríeis meu Pai; desde agora já o conheceis, pois o tendes visto". (São João 14, 5-7)

Disse o Padre Emanuel, ainda no sec. XIX: Sobre o aparecimento do Anticristo...(que usará um falso profeta para dominar também pela religião)

“Apresentar-se-á como cheio de respeito pela liberdade das religiões, uma das máximas e uma das mentiras da besta revolucionária. Dirá aos budistas que é um Buda; aos muçulmanos, que Maomé é um grande profeta...

n/d

Talvez até irá dizer, em sua hipocrisia, como Herodes seu precursor, que quer adorar Jesus Cristo. Mas isso não passará de uma zombaria amarga. Malditos os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável Salvador seja posto lado a lado com outras seitas e mestres".

Diz na Sagrada Escritura: (a vós eclesiásticos desviados do Caminho do SENHOR)

"Vede: proponho-vos hoje bênção ou maldição. Bênção, se obedecerdes aos mandamentos do Senhor, vosso Deus, que hoje vos prescrevo. Maldição, se não obedecerdes aos mandamentos do Senhor, vosso Deus, e vos apartardes do caminho que hoje vos mostro, para seguintes deuses estranhos que não conheceis" (Deuteronômio 11, 26-28).