Lembrando a Profecia de São Francisco sobre um futuro "falso papa", que vai querer destruir a Verdadeira Igreja

Publicado no dia 05 Março 2019

05.03.2019 -

n/d

A predição de “grandes cismas e tribulações na Igreja” é a 13ª profecia do capítulo “Algumas profecias de São Francisco” de um livro, com imprimatur do sec. XVIII, intitulado “Obras do Seráfico Pai São Francisco de Assis”. São Francisco terá revelado esta profecia aos membros da sua Ordem pouco tempo antes de morrer, portanto no primeiro quartel no séc. XIII.

O Santo profetiza grandes cismas e tribulações na Igreja

Pouco tempo antes da morte do santo Pai, ele reuniu os seus filhos e alertou-os sobre as tribulações que haveriam de vir:

"Meus Irmãos, ajam com bravura; tenham coragem e confiem no Senhor. Aproxima-se rapidamente o tempo em que haverão grandes provas e aflições, abundarão as perplexidades e discórdias, tanto espirituais como temporais, a caridade de muitos esfriará e a maldade dos ímpios aumentará.

Nos tempos dessa tribulação, um homem não canonicamente eleito será elevado ao Pontificado, que, com sua astúcia, empenhar-se-á em levar muitos ao erro e à morte.

n/d

Então os escândalos multiplicar-se-ão, a nossa Ordem será dividida e muitas outras serão completamente destruídas porque tolerarão o erro em vez de o combater.

Haverá tal diversidade de opiniões e cismas entre o povo, os religiosos e o clero, que, se aqueles dias não fossem abreviados, segundo as palavras do Evangelho, até os eleitos seriam levados ao erro, não fossem eles guiados, no meio de tão grande confusão, pela imensa misericórdia de Deus.

Então a nossa Regra e o nosso modo de vida serão violentamente combatidos por alguns e, sobre nós, cairão provas terríveis. Os que permanecerem fiéis receberão a coroa da vida, mas ai daqueles que, confiando apenas na sua Ordem, caírem na tibieza, pois esses não serão capazes de suportar as tentações permitidas como provação para os eleitos. Os que conservarem o seu fervor e mantiverem a sua virtude com amor e zelo pela verdade sofrerão injúrias e perseguições como se fossem rebeldes e cismáticos, uma vez que os seus perseguidores, instigados por espíritos malignos, dirão que prestam um grande serviço a Deus eliminando aqueles homens nocivos da face da Terra. Mas o Senhor será o refúgio dos aflitos e salvará todos os que em Ele confiam. E a fim de serem como o seu Mestre, estes, os eleitos, atuarão com confiança e, com a sua morte, obterão a vida eterna. Escolhendo obedecer a Deus em vez de obedecer aos homens, eles não terão medo de nada e preferirão morrer do que aprovar a falsidade e a traição.

Alguns pregadores manterão silêncio sobre a verdade, enquanto outros irão pisoteá-la e negá-la. A santidade de vida será desprezada até pelos que exteriormente a professam, pois, nesses dias, Nosso Senhor Jesus Cristo enviar-lhes-á não um pastor verdadeiro mas um destruidor".

(Works of the Seraphic Father St. Francis Of Assisi, Washbourne, London, 1882, pp. 248-250, Imprimatur of the Bishop of Birmingham, William Bernard – tradução livre)

A esta distância temporal torna-se, obviamente, difícil provar ou negar a autenticidade desta profecia, no entanto, o seu conteúdo acaba por ser um forte motivo de reflexão e oração, atendendo à conjuntura por que atravessa a Igreja Católica atualmente.

Visto em: odogmadafe.wordpress.com

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Lembrando: Padre Thomas Rosica, Assessor de imprensa do Vaticano, declarou: "Francisco não é conduzido tanto pela Palavra de Deus (Bíblia) ou pela Tradição da Igreja. O Papa Francisco rompe com as tradições católicas quando quer porque ele é livre de apegos desordenados. A nossa Igreja entrou numa nova fase com o advento deste primeiro papa jesuíta, ela é abertamente governada por um indivíduo e não apenas pela autoridade das Escrituras ou mesmo pelos seus próprios ditames da tradição mais as Escrituras".

Lembrando: Declarou o zeloso Arcebispo Marcel Lefebvre - "Como poderíamos nós, por obediência servil e cega, fazer o jogo desses cismáticos que nos pedem colaboração para seus empreendimentos de destruição da Igreja? Eis porque estamos prontos e submissos para aceitar tudo o que for conforme à nossa fé católica, tal como foi ensinada durante dois mil anos mas recusamos tudo o que lhe é contrário. Já ouvimos a objeção: Então cabe a nós julgarmos a fé católica? Mas não será dever de um católico julgar entre a fé que lhe ensinam hoje e a que foi ensinada e crida durante vinte séculos e que está escrita nos catecismos oficiais. Como foi que agiram os verdadeiros fiéis diante das heresias? Preferiram dar o sangue a trair sua fé. Temos fé no sucessor de Pedro. Mas, como o Papa Pio IX disse muito bem em sua constituição dogmática, o Papa recebeu o Espírito Santo não para pregar novas verdades, mas para manter a fé de sempre".

Lembrando: Declarou o Arcebispo americano Fulton Sheen (1895-1979) - "Se você tiver que encontrar Cristo hoje, então procure uma Igreja que não se dá bem com o mundo. Procure por uma Igreja que é odiada pelo mundo como Cristo foi odiado pelo mundo. Procure pela Igreja que é acusada de estar desatualizada com os tempos modernos, como Nosso Senhor foi acusado de ser ignorante. Procure pela Igreja que os homens de hoje zombam e acusam de ser socialmente inferior, assim como zombaram de Nosso Senhor porque Ele veio de Nazaré. Procure a Igreja que em tempos de intolerância (contra a sã doutrina,) os homens dizem que deve ser destruída em nome de Deus, do mesmo modo que os que crucificaram Cristo julgavam estar prestando serviço a Deus".