China força estudantes a assinar compromissos de rejeição à religião

Publicado no dia 11 Março 2019

11.03.2019 -

n/d

Notícia de bitterwinter.org, PIAO JUNYING, 2 de fevereiro – “Estudantes forçados a assinar compromissos de rejeição à religião” (forced-to-sign-religion-rejection-commitments) – nos fornece mais elementos sobre a “sinicização” (*): desta vez voltada contra a religião entre os estudantes.

Compromisso: “Promover o ateísmo e me opor ao teísmo”

    “Autoridades do governo estão indo atrás de estudantes do ensino primário e secundário para preencher suas mentes com a ideologia ateísta. “Vou aderir à direção política correta, defender a ciência, promover o ateísmo e me opor ao teísmo“. Essas são as palavras que o Partido Comunista Chinês (PCC) está exigindo que os estudantes assinem em sua busca para doutrinar cada pessoa chinesa com ódio à religião, para que ela possa eliminar todos os vestígios dela (religião) na China”.

    “Em agosto passado, o Departamento de Educação do distrito de Lishan, na cidade de Anshan, na província chinesa de Liaoning, divulgou um plano para a campanha para resistir às crenças religiosas em jardins de infância. O documento diz que os jardins de infância são proibidos de contratar professores que possuem crenças religiosas.

n/d

Dos professores que já estão no local, a supervisão deve ser aumentada – tanto que os funcionários agora farão inspeções abrangentes na preparação dos professores para as lições, a fim de erradicar todo e qualquer conteúdo religioso”.

“Planeje a campanha para boicotar a crença religiosa”

    “Um plano para a campanha de boicote à crença religiosa, emitido pelo distrito de Lishan da Secretaria de Educação do distrito de Anshan.”

    “Os professores e alunos nas escolas também precisam assinar uma declaração de compromisso prometendo que não navegam em sites religiosos nem participam de fóruns religiosos”.

“Um aviso proibindo atividades religiosas”

  “Um aviso proibindo atividades religiosas de entrar em campi (campus), emitido pelo Departamento de Educação e Esportes da cidade de Pingdu, província de Shandong.

    “Em 24 de outubro, o Departamento de Educação e Esportes da cidade de Pingdu, na província costeira oriental de Shandong, também emitiu um documento — destinado a escolas de educação infantil, primária e secundária — proibindo estudantes de participar de atividades religiosas”.

* * *

    Fica claro, comentamos nós, uma das utilidades das 200 milhões de câmeras de reconhecimento facial espalhadas pela China: como se sabe cada chinês tem sua imagem facial cadastrada num imenso banco digital do governo anexada a seus dados pessoais como emprego, parentes, rotas percorridas, amigos, mensagens em internet, críticas ao governo comunista, salário, passagens etc. Cada chinês tem, pois, sua pontuação que lhe facilita ou dificulta acesso a créditos, sair do país etc.

    Nem o regime nazista, nem Stalin imaginou esse controle total dos cidadãos tão antinatural e despótico como o faz a China vermelha em nossos dias.

    Esperamos que nossos parlamentares (do PSL) que estiveram na China em janeiro de 2019 se deem conta do “paraíso” que os convidou – aliás, com todas as despesas pagas.

   Sempre há tempo para se arrepender e passar a denunciar o maior esquema de vigilância antinatural e despótica da face da Terra.

    O artigo de bitterwinter denuncia a doutrinação anti religiosa desde o jardim de infância e os infratores já estão cadastrados e podem ser reconhecidos (através do controle facial) pela polícia em qualquer lugar.

    Essa é a China que sorri ao Brasil, “sem viés ideológico”.

(*) https://ipco.org.br/sinicizacao-vies-ideologico-da-china-contra-a-igreja-catolica-i/#.XIW-aShKguU