Vaticano reabre acesso à escada onde Jesus teria subido antes da crucificação

Publicado no dia 14 Abril 2019

14.04.2019 -

A tradição católica diz que Helena, mãe do Imperador Constantino, levou a “Scala Santa” [Escada Santa] de Jerusalém para Roma no ano 326. Seus 28 degraus de mármore podem ser subidos pelos peregrinos que vão ao Vaticano, mas só se for de joelhos.

n/d

Ela serva para lembrar aos fiéis os passos de Cristo até ao Pretório, onde foi julgado por Pôncio Pilatos e condenado à morte. Os primeiros testemunhos escritos deste local estão numa passagem no “Liber Pontificalis” do tempo de Sérgio II (844/847).

Ainda segundo a tradição, é concedida o perdão total dos pecados a quem sobe de joelhos a Escada Santa, meditando sobre a Paixão de Cristo e rezando. Existem três cruzes de bronze nos locais onde o sangue de Jesus teria pingado enquanto ele subia a escada.

O padre Francesco Guerra, reitor do Santuário da Escada Santa, disse ao site oficial do Vaticano que “o peregrino, no cansaço de subir, encontra-se com a dor que o próprio Jesus enfrentou na sua Paixão”.

Oculta do público por séculos

O mármore foi coberto cerca de 300 anos atrás por ordem do papa Inocêncio XIII que temia o desgaste dos degraus pelo contato com mãos e joelhos dos peregrinos. Em algumas partes há uma buracos com até 15 centímetros de profundidade.

A abertura é temporária, com acesso somente até 9 de junho.

A peça recentemente esteve em processo de restauração e o papa Francisco comemorou a reabertura: “Subindo de joelhos estes 28 degraus da Escada Santa, o peregrino no cansaço de subir, se encontra com a dor que o próprio Jesus enfrentou na sua paixão. E enquanto sobe, rezando, nestes degraus, a pessoa se sente em contato consigo mesma, ou seja, retornam à memoria as próprias dores ou os sofrimentos das pessoas que lhe são queridas. E Subindo, rezando e recordando a paixão de Jesus, eis que se mistura todo o sentido de quanto fez Cristo por nós: sofreu, morreu e ressuscitou pelo nosso amor”.

Via: www.gospelprime.com.br