Bispo Athanasius Schneider: Francisco deve formalmente corrigir declaração de que Deus quer "falsas" religiões, está sendo proclamado um "novo Evangelho"

Publicado no dia 08 Maio 2019

Um Evangelho que não é "aquele Ensinado" pela Palavra de Deus

08.05.2019 -

n/d

Em uma nova entrevista, o Bispo Athanasius Schneider deixa claro que a correção privada do papa de sua declaração oficial de Abu Dhabi - segundo a qual a “diversidade das religiões” é “desejada por Deus” - que o bispo Schneider ele mesmo foi capaz de receber do Papa Francisco em 1 de março não é suficiente. A declaração de Abu Dhabi “ainda é válida”, e assim, diz Schneider, “está sendo proclamado um novo Evangelho, um Evangelho que não é aquele ensinado pela Palavra Encarnada de Deus, que foi lealmente pregado pelos apóstolos e transmitido para a Igreja."

“Não pode haver dúvida”, Schneider explica, “que São Paulo diria hoje a respeito dessa formulação controversa na declaração de Abu Dhabi: 'Mas embora nós, ou um anjo do céu, pregue um evangelho para você além do que temos pregado a você, seja anátema ”(Gálatas 1: 8–9)”.

O Papa Francisco assinou o controverso “Documento sobre a Fraternidade Humana para a Paz Mundial e Vivendo Juntos” com o Grande Imam Ahmad el-Tayeb em Abu Dhabi em 4 de fevereiro de 2019.

n/d

"Até agora, nem o papa, nem um escritório da Santa Sé falando em seu nome, fizeram uma correção pública com referência direta à passagem duvidosa sobre a 'diversidade de religiões'" na declaração de Abu Dhabi, explica o bispo Schneider. em uma entrevista com Gloria.tv. “Portanto,” ele conclui, “a formulação sobre a diversidade de religiões ainda é válida”.

Na entrevista, o Bispo Schneider descreve detalhadamente os diferentes desenvolvimentos relativos à sua discussão com o Papa Francisco sobre esta declaração de Abu Dhabi.

Ele insiste que a correção dada a ele pelo papa durante uma audiência em 1 de março tem apenas um "caráter privado", e ele explica que ele deu ao papa no mesmo dia uma carta pedindo-lhe para "rescindir" a formulação sobre o " diversidade de religiões ”. Papa Francisco, em 5 de março, respondeu a Dom Schneider em uma carta, dizendo que no documento de Abu Dhabi, a expressão“ é desejada por Deus ”.
significa a "vontade permissiva de Deus".

“Escrevi então, em 25 de março, mais uma carta pessoal”, explica Schneider. Nessa carta, ele perguntou ao papa se ele poderia repetir "publicamente para toda a Igreja" o que o papa havia dito e escrito para Schneider em particular. Schneider pediu-lhe para fazê-lo "por causa da confusão na Igreja que está crescendo diariamente com relação à verdade de que a Fé em Jesus Cristo como o único Redentor da humanidade é a única religião direta e positivamente desejada por Deus". (Uma pergunta como o grande Imam Ahmad El-Tayeb responderia a tal possível correção da declaração de Abu Dhabi.)

Questionado sobre o fato de que o Papa Francisco, durante a audiência geral em 3 de abril, falou explicitamente sobre a “vontade permissiva de Deus” em relação à diversidade das religiões, e se o papa não “removeu o problema”, Bispo Schneider diz: "Com esta formulação, o Papa Francisco não faz uma referência direta à passagem muito discutida da declaração de Abu Dhabi." Além disso, o prelado afirma, não há nenhum ensino expresso mencionado que a Fé de Jesus Cristo "é a única a religião positivamente querida por Deus. ”O Bispo Schneider menciona que o Papa Francisco enviou-lhe pessoalmente uma cópia daquela declaração de 3 de março durante a audiência geral. Mas ele continua, dizendo que embora esta declaração de 3 de março possa ser um “pequeno passo à frente”, ainda é o caso que “a declaração que é incorreta em si mesma e como é encontrada no documento de Abu Dhabi continua sem uma correção clara e autêntica dentro da Igreja ”e que“ está sendo ainda mais difundida com sua formulação objetivamente errônea ”.

“Por meio disso”, declara o Bispo Schneider, “a verdade sobre a singularidade de Jesus Cristo como Redentor da Humanidade e, subsequentemente, a Fé Nele como a única religião desejada por Deus está sendo relativizada. Desta forma, o perigo cresce cada vez mais que a essência de todo o Evangelho e, com ele, do depositum fidei [depósito da Fé] está sendo negada ”.

Diante de uma crescente relativização da “singularidade de Nosso Senhor e Redentor Jesus Cristo”, explica o prelado, é ainda mais importante agora que a “Igreja inteira e, em primeiro lugar, o Papa Francisco” falem abertamente sobre este assunto. . “O documento de Abu Dhabi, no entanto, não ajudou em relação à principal missão da Igreja.”

Ele também destaca que o Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso enviou uma carta de 21 de fevereiro de 2019 “a todas as universidades da Igreja” com o pedido explícito de que eles ajudassem a difundir, em todos os níveis, os princípios contidos no documento de Abu Dhabi. Essa carta também cita a controversa passagem sobre a diversidade das religiões. (LifeSiteNews relatou esta carta aqui.)

Falando sobre as conseqüências da divulgação do documento não-corrigido de Abu Dhabi, o bispo Schneider ressalta que “relativizará ainda mais a singularidade de Nosso Senhor e Redentor Jesus Cristo, e também com a essência do Evangelho e da Revelação Divina”.

Em suas últimas sentenças, o bispo Schneider expressa seu “ardente desejo” de que “cada vez mais vozes entre bispos, sacerdotes e fiéis venham, que peçam respeitosamente e com amor ao papa que ele corrija inequivocamente a declaração no documento de Abu Dhabi”.

Fonte: www.lifesitenews.com  -  via: www.sinaisdoreino.com.br

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Por Dilson Kutscher

Como declarou certa vez Francisco: "Todos nos veremos no Céu". (muçulmanos, budistas e etc)

Mas, devo lembrar...

Cristãos e muçulmanos não têm o mesmo conhecimento de Deus, porque eles não estão ligados à mesma Revelação, não ouvem a mesma Palavra. Contentar-se em afirmar que Deus existe e que Ele é único, é no que se resume o conhecimento muçulmano de Deus (Alá). O "Deus" do Alcorão é um ser solitário, enquanto o Deus do cristianismo é um ser de relação: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Três Pessoas tão ligadas entre Si, que são, conjuntamente e cada uma, o único e mesmo Ser Divino.  De fato, o islamismo nega não somente a Trindade, mas também a Divindade de Jesus, sua morte e sua ressurreição e, portanto, a Redenção.

Diante disto, penso que os católicos, que seguem fielmente a Francisco, deveriam ler um "pouco mais" a Sagrada Escritura. 

Diz na Sagrada Escritura:

"Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim" (João 14, 6).

"Todo aquele que caminha sem rumo e não permanece na doutrina de Cristo, não tem Deus. Quem permanece na doutrina, este possui o Pai e o Filho. Se alguém vier a vós sem trazer esta doutrina, não o recebais em vossa casa, nem o saudeis. Porque quem o saúda toma parte em suas obras más" (2 João 9-11).

"Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo. Há um só Deus e Pai de todos, que atua acima de todos, por todos e em todos" (Efésios 4, 5-6).

Disse o Arcebispo Marcel Lefebvre: "Não há salvação por meio do Islamismo. Não há Igreja budista no Céu... São coisas que podem parecer duras de ouvir, mas esta é a verdade".

Declarou ainda o Arcebispo Marcel Lefebvre: "Não será dever de um católico julgar entre a fé que lhe ensinam hoje e a que foi ensinada durante vinte séculos de tradição da Igreja? Ora, eu acredito sinceramente que estamos tratando com uma falsificação da Igreja, e não com a Igreja católica. Por quê? Porque eles não ensinam mais a fé católica. Não defendem mais a fé católica. Eles arrastam a Igreja para algo diferente da Igreja Católica. A verdade e o erro não estão em pé de igualdade. Isso seria colocar Deus e o diabo em pé de igualdade, visto que o diabo é o pai da mentira, o pai do erro".