O complô para destruir a Igreja de dentro: Novo livro expõe o esquema diabólico usado pelos inimigos da Igreja Católica para ganhar acesso ao papado

Publicado no dia 04 Junho 2019

04.06.2019 -

Dr. Taylor Marshall, um renomado teólogo e especialista em tomismo, bem como um defensor da Missa Latina Tradicional, escreveu um livro sobre a infiltração da Igreja Católica por forças anti-católicas. O livro é intitulado “Infiltração: O complô para destruir a Igreja de dentro”, e é publicado pela Sophia Institute Press.

n/d

Marshall começa seu livro com a aparição de Nossa Senhora de La Salette na França e suas advertências contra o reinado de Satanás em Roma e com as instruções de Alta Vendita, que foram atribuídas à Maçonaria e publicadas com o apoio explícito de vários Papas no século XIX. Este documento explica que, para minar a Igreja Católica, é preciso infiltrá-la, em vez de lutar contra ela de fora. Para este fim, eles teriam como objetivo influenciar o chefe da Igreja Católica, o Papa.

“Agora, a fim de assegurar-nos um papa de acordo com o nosso próprio coração, é necessário criar para esse papa uma geração digna do reino do qual sonhamos. Deixar de um lado a velhice e a meia-idade, ir para a juventude e, se possível, até para as crianças”. Esses maçons decidiram introduzir no pensamento católico idéias liberais que finalmente chegariam ao topo da Igreja.

“O plano”, escreve Marshall, “não inclui panfletos, armas, derramamento de sangue, nem mesmo eleições políticas. Requer uma infiltração passo a passo, primeiro a partir da juventude, próxima do clero, e então, à medida que o tempo passa, daqueles jovens e clero que se tornam cardeais e depois o papa”.

Como esse documento da Alta Vendita pode não ser conhecido por muitas pessoas, o LifeSiteNews recebeu permissão para publicar o capítulo de Marshall sobre ele na íntegra, como uma espécie de introdução (leia aqui).

Nos capítulos seguintes de seu livro de 300 páginas, que foi publicado agora por Sophia Press, o autor lida com a história de meados do século 19 até nossos dias, mostrando como o Papa Pio X lutou vigorosamente contra as idéias modernistas que estavam se espalhando no início do século XX, dentro da Igreja Católica. No Grupo de Sankt Gallen – o grupo de prelados progressistas decepcionados com o reinado do Papa João Paulo II e que tentaram, após sua morte, eleger um Papa de seu agrado – esta corrente modernista encontra um ponto crucial, mesmo porque aqueles prelados que reinaram sobre a Igreja Católica na Europa – e efetivamente contribuíram para o enfraquecimento da fé nesta região do mundo – foram as principais figuras do Grupo de Sankt Gallen. Aqui, o cardeal Carlo Maria Martini, o cardeal Basil Hume e o cardeal Godfried Danneels nos vêm à mente.

O Dr. Marshall também apresenta em detalhes como algumas dessas idéias modernistas afetaram o Concílio Vaticano II, bem como o Novus Ordo da Missa. No final, ele aborda a eleição do Papa Francisco e mostra alguns de seus “ensinamentos problemáticos” que agora afetam a Igreja Católica de maneira negativa. Aqui, o autor – ele próprio pai de oito filhos – aponta para a exortação apostólica de Francisco, Amoris Laetitia, e sua afirmação de que “ninguém é condenado para sempre”, mas também para declarações como o Documento de Abu Dhabi: “Francisco também ensinou isso. Deus divina e sabiamente deseja a ‘diversidade e pluralidade de religiões’ com a mesma vontade ‘pela qual ele criou os seres humanos”.

Aqui, o Dr. Marshall conclui: “São Pio X teria colocado o Papa Francisco sob a proibição do Modernismo. Como podemos ter dois papas em contradição teológica?”.

Marshall também discute as aparições de Fátima e a questão do Terceiro Segredo confiado à Irmã Lúcia.

Em um recente podcast de 24 de maio, Marshall revelou que, durante sua visita a Roma há uma semana, pôde se encontrar em breve com o Papa Francisco e que lhe deu a primeira cópia de seu novo livro, com uma dedicatória para o papa. Ele havia escrito este livro durante a Quaresma. “Jejuei toda a Quaresma por ele.” O livro, acrescenta o autor, “foi um trabalho de amor”. Marshall disse que “amaria que o homem [o papa Francisco] fosse um dos maiores papas santificados de todos os tempos, que dirigiria a Igreja através de toda esta crise. Não é tarde demais.”

O Bispo Athanasius Schneider, bispo auxiliar de Astana, no Cazaquistão, escreveu um prefácio para o livro do Dr. Marshall (leia aqui). Ele elogia o livro, afirmando que “Em Infiltração: O enredo para destruir a Igreja a partir de dentro”, Taylor Marshall toca em um tópico que é deliberadamente ignorado hoje. A questão de uma possível infiltração na Igreja por forças externas a ela não se encaixa no quadro otimista que o Papa João XXIII, e particularmente o Concílio Vaticano II, desenhou irrealisticamente e sem críticas do mundo moderno. Schneider se pergunta como é que hoje “não poucos membros de alto escalão da hierarquia da Igreja Católica não só cederam às exigências implacáveis ​​do mundo moderno, mas estão, com ou sem convicção, colaborando ativamente na implementação de seus princípios na vida cotidiana da Igreja, em todas as áreas e em todos os níveis.”

Aqui, o livro do Dr. Marshall poderia ajudar a esclarecer como a Igreja chegou a esse ponto. Para entender essa crise, acrescenta Schneider, precisamos examinar as próprias raízes da crise”. Essa crise pode ser vista “como uma infiltração da Igreja pelo mundo incrédulo, e especialmente pelos maçons – uma infiltração que, pelos padrões humanos, efetivamente só poderia ter sido bem sucedida através de um processo longo e metódico”. Todavia, no final de sua introdução, o Bispo Schneider nos lembra que “até mesmo o plano mais pérfido para destruir a Igreja de dentro não terá sucesso”.

Entre os católicos tradicionais, alguns desses documentos apresentados pelo Dr. Marshall já foram estudados e incorporados à compreensão da crise atual da Igreja (poderíamos lembrar aqui, por exemplo, o livro de Arnaud de Lassus Ofício Profano: Maçonaria e as Raízes da Cristofobia, ou o livro de John Vennari sobre a Alta Vendita.)

A contribuição do Dr. Marshall foi ter atualizado esse entendimento – incluindo o papel do Grupo de Sankt Gallen – e ter colocado todos os documentos relevantes em um único compêndio.

Por Maike Hickson, LifeSiteNews, 28 de maio de 2019 | Tradução: FratresInUnum.com

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Diz na Sagrada Escritura:

"Porque não há nada oculto que não venha a descobrir-se, e nada há escondido que não venha a ser conhecido" (São Lucas 12, 2).

"Estai de sobreaviso, para que ninguém vos engane com filosofias e vãs sutilezas baseados nas tradições humanas, nos rudimentos do mundo, em vez de se apoiar em Cristo" (Colossenses 2, 8).

"Na hora, porém, em que os homens repousavam, veio o seu inimigo, semeou joio no meio do trigo e partiu" (São Mateus 13, 25).

Declarou o Cardeal Robert Sarah: "Como disse Paulo VI, o fumo de Satanás invadiu-nos. A Igreja, que deveria ser um lugar de luz, tornou-se num antro de trevas. Esta deve ser uma casa de família segura e pacífica, mas tornou-se num covil de ladrões!  Como podemos suportar que os predadores se tenham introduzido nas nossas fileiras? Numerosos sacerdotes fiéis comportam-se todos os dias como pastores solícitos, como pais cheios de doçura, como guias firmes. Mas certos homens de Deus converteram-se em agentes do Maligno. Estes têm procurado profanar a alma dos pequenos. Eles humilharam a imagem de Cristo..."(in Le soir approche et déjà le jour baisse)

Declarou o Bispo Marcel Lefebvre (1974): "O Papa recebeu o Espírito Santo, não para pregar novas verdades, mas para manter a fé de sempre. Por esta razão, nós escolhemos o que sempre foi ensinado, e fechamos nossos ouvidos às novidades destruidoras da Igreja".

Disse Santo Ambrósio de Optina, sobre o Fim dos Tempos e os hereges que irão querer dominar a Igreja: "Quando você ver nas Igrejas o descaso (indiferença com o Sagrado) aos atos Divinos, aos ensinamentos dos Santos, e da ordem estabelecida por Deus, saiba que os hereges já estarão presentes. O Senhor disse que eles podem ser facilmente reconhecidos pelos seus frutos".

Declarou o Bispo Fulton Sheen (1972): "Quem salvará a Igreja? Não serão os bispos nem os padres nem os consagrados. Cabe-vos a vós, o povo. Vós tendes as mentes, os olhos, os ouvidos para salvar a Igreja. A vossa missão é zelar para que os padres vivam como padres, os bispos como bispos e os consagrados como consagrados".