China comunista: Destruição de imagens de Santos

Publicado no dia 06 Junho 2019

06.06.2019 -

Arrancam estátuas de Mártires para que chineses não imitem seu exemplo.

n/d

Por Luis Dufaur

As imagens e monumentos erigidos para comemorar os 120 Mártires chineses são objetivo da sanha marxista na província de Hebei, China, escreveu “Infocatólica”.

Segundo as denúncias provenientes do continente e veiculadas pelo site Bitter Winter, o regime comunista está demolindo e retirando sistematicamente as estátuas desses mártires modelos de fidelidade a Nosso Senhor Jesus Cristo numa era de perseguição.

Tudo começou em Dongxihetou, diocese de Hengshui, em outubro de 2018. Os fiéis que contribuíram para confeccionar as estátuas foram intimidados com o espectro dos cárceres socialistas.

As estátuas comemoravam a São Paulo Wu Anju (1838-1900), São João Baptista Wu Mantang (1883-1900) e São Paulo Wu Wanshu (1884-1900).

O Papa Pio XII proclamou mártires aos três em 17 de abril de 1955 que, aliás eram da mesma família. Por fim, foram canonizados no dia 1° de outubro de 2000.

A violência faz parte de uma generalizada campanha de demolições de símbolos religiosos. Essa visa não somente os católicos ditos clandestinos (fiéis a Roma), mas até as imagens da Associação Patriótica Católica (órgão governamental do regime comunista para controlar a Igreja).

Os inimigos são Nosso Senhor, Nossa Senhora, os Santos e todo o bem que a Igreja Católica fez na China.

Foram também suprimidas as imagens na igreja católica de Wuyi dos missionários franceses jesuítas mártires São Modesto Andlauer (1847-1900) e São Rémy Isoré (1852-1900), assassinados pelos nacionalistas Boxers.

Segundo os católicos locais o PCC (Partido Comunista Chinês) quer apagar a lembrança dos mártires, que deram a vida em fidelidade a Jesus Cristo por volta do ano 1900.

n/d

O PCC julga que esses mártires mantêm viva a memória e encorajam muitos heróis católicos que estão fazendo o holocausto de suas vidas sob a atual ditadura comunista.

O furor marxista aparece desprovido de toda moderação após ter conseguido um acordo com a Santa Sé em 2018, registra Bitter Winter. 

A mesma fonte foi informada que os fiéis de Wuyi foram constrangidos a desmantelar as imagens dos santos com suas próprias mãos. Se não o fizessem, o leigo que deu o maior donativo teria seus bens confiscados.

Também a estátua de São Chi Zhu (1882-1900), que estava exposta na igreja católica de Dechao (Shenzhou, Hebei), foi desmontada por pressão das autoridades.

n/d

São Chi havia sido linchado com facas e armas de fogo durante a rebelião nacionalista dos Boxers (1899-1901).

Os repressores locais intimaram os fiéis a fechar a igreja, remover todas as imagens de Jesus e dos santos.

Se não o fizessem, a igreja seria demolida.

O exemplo de todos esses mártires inspirou gerações inteiras de fiéis católicos chineses.

Incapaz de convencer os chineses de abandonar a Igreja e vendo que muitos se convertem a Ela, a ditadura tenta apagar a lembrança dos heróis. E com a anuência da política externa vaticana!

Porém, eles brilham de glória no Céu, e manobra humana alguma conseguirá apagar seu fulgor, e seu exemplo empolgante seguirá fortalecendo a fidelidade dos católicos autênticos.

Visto em: www.abim.inf.br

===========================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Diz na Sagrada Escritura:

"Se o mundo vos odeia, sabei que me odiou a mim antes que a vós. Se fôsseis do mundo, o mundo vos amaria como sendo seus. Como, porém, não sois do mundo, mas do mundo vos escolhi, por isso o mundo vos odeia. Lembrai-vos da palavra que vos disse: O servo não é maior do que o seu senhor. Se me perseguiram, também vos hão de perseguir. Se guardaram a minha palavra, hão de guardar também a vossa. Mas vos farão tudo isso por causa do meu nome, porque não conhecem aquele que me enviou. Se eu não viesse e não lhes tivesse falado, não teriam pecado; mas agora não há desculpa para o seu pecado. Aquele que me odeia, odeia também a meu Pai". (João, 15,18-23)