Francisco deu de presente as relíquias "Sagradas de São Pedro", ao patriarca da igreja ortodoxa, um sinal de que a Proteção de São Pedro deixou mesmo o Vaticano

Publicado no dia 05 Julho 2019

04.07.2019 -

Os nove fragmentos de ossos (de São Pedro) foram exibidos apenas uma vez para veneração pública, em 24 de novembro de 2013, quando o Papa Francisco colocou o relicário ao lado do altar durante a missa de encerramento do Ano da Fé.

n/d

O Papa Francisco retirou o relicário da capela particular dos papas no dia 29 de junho, a festa litúrgica dos apóstolos Santos. Pedro e Paulo, patronos de Roma. 

Deixando o palácio apostólico

O arcebispo (ortodoxo) Job de Telmessos, que chefiou a delegação oficial do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla,  disse  que após a Missa papal na Basílica de São Pedro em 29 de junho, o Papa Francisco o convidou para acompanhá-lo ao túmulo de São Pedro sob o altar principal. . 

n/d

O arcebispo (ortodoxo) disse que depois que os dois rezaram juntos no túmulo de São Pedro, o papa disse que ele tinha um “presente para a Igreja de Constantinopla”. O papa convidou o arcebispo para acompanhá-lo ao Palácio Apostólico. Ali, na capela particular dos papas, Francisco levou o relicário e o entregou ao arcebispo Job.

"Quando entramos na capela", disse o arcebispo ortodoxo, "o Papa Francisco me explicou que o papa Paulo VI queria manter uma parte das relíquias de São Pedro da Basílica do Vaticano em sua capela privada". 

O Papa Francisco disse-lhe: «Já não vivo no Palácio Apostólico, nunca uso esta capela, nunca [celebro] a Santa Missa, e temos as relíquias de São Pedro na basílica, por isso será melhor se ser mantido em Constantinopla”.

n/d

"Este é o meu presente para a Igreja de Constantinopla", acrescentou o papa, entregando as relíquias. “Por favor, pegue este relicário e dê ao meu irmão Patriarca Bartolomeu.” 

n/d

Admitindo estar um pouco surpreso com a decisão do Papa, o arcebispo Job disse: “Este é um acontecimento extraordinário e inesperado que não esperávamos. As relíquias do Santo Apóstolo Pedro sempre foram mantidas em Roma, onde eram o propósito das peregrinações ”.

"A Igreja Ortodoxa nunca pediu por eles, uma vez que nunca pertenceram à Igreja de Constantinopla", acrescentou o arcebispo. “Desta vez, não falamos de um retorno de relíquias ao seu lugar original. Desta vez, as relíquias estão sendo apresentadas como um presente".

Um sinal sinistro?

Mas alguns observadores vêem o gesto como um sinal sinistro para a Igreja e para Roma. 

"O Papa Francisco literalmente entregou São Pedro", disse uma fonte em Roma à LifeSite.

"As relíquias estavam na capela privada do papa", observou um padre. "Ele claramente prefere fazer um 'gesto' das relíquias do que rezar diante delas e receber graças especiais de seu patrono, o primeiro papa.".

Em comentários à LifeSite, outro padre em Roma observou quão importante é o “lugar”, isto é, o lugar, no pensamento católico, e acrescentou que era a vontade de Deus, que Pedro fosse martirizado em Roma.

O sacerdote destacou que a arte e a literatura cristã retratam Pedro fugindo de Roma durante a perseguição do imperador Nero. De acordo com uma tradição cristã, em uma estrada fora da cidade, Pedro encontrou o Jesus ressuscitado. Na tradução latina, Pedro pergunta a Jesus: “Quo vadis, Domine?”, Ao qual o Senhor ressuscitado responde: “Romam e o iterum crucifigi” (“Vou a Roma para ser crucificado novamente”). A visão deu a Pedro a coragem de retornar à cidade, onde foi martirizado ao ser crucificado de cabeça para baixo.

"Eu suspeito fortemente que este é um sinal de que a proteção de São Pedro vai deixar o Vaticano", disse um observador em Roma.

Movendo-se para o leste

Na noite de 29 de junho, as relíquias foram transferidas de Roma para Constantinopla, acompanhadas pelo monsenhor Andrea Palmieri, subsecretário do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Em 30 de junho, eles foram expostos à veneração pública durante uma Liturgia Divina solene celebrada pelo Patriarca Bartolomeu. O relicário está agora sendo mantido no patriarcado ecumênico em Istambul.  

Visto em: www.lifesitenews.com

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Sobre São Pedro: Transmissão do Primado e Profecia sobre a sua morte.

Em João 21, 15-17: Junto ao lago da Galiléia, pouco ao sul de Cafarnaum – onde Jesus apareceu aos apóstolos, após a ressurreição, Ele conferiu Pedro o Primado sobre a Sua Igreja com estas palavras: “Apascenta as minhas ovelhas ... apascenta os meus cordeiros”.

Em João 21, 18-23: Em seguida profetizou de que maneira Pedro haveria de morrer, como Jesus, para glorificar a Deus. Isto é, crucificado. É a profecia da morte de Pedro.

"Em verdade, em verdade te digo: quando eras mais moço, cingias-te e andavas aonde querias. Mas, quando fores velho, estenderás as tuas mãos, e outro te cingirá e te levará para onde não queres". Por essas palavras, ele indicava o gênero de morte com que havia de glorificar a Deus".

Cumprimento da Profecia: Durante uns 10 anos Pedro governou a Igreja em Jerusalém, na Judéia, Samaria, no litoral e em Antioquia. Em 42 d.c. fundou a Igreja em Roma. No tempo de Nero, em 67 d.c. , foi preso e crucificado no Vaticano, além do rio Tibre. Na hora da crucificação pediu aos algozes que fosse crucificado de cabeça para baixo, dizendo "Não sou digno de morrer como meu mestre Jesus”, que morreu em posição normal. Os algozes atenderam ao pedido.

Séculos mais tarde, no lugar da morte, em Roma, foi construída a basílica de São Pedro (330 d.c), reconstruída no século 16 d.c.
No lago da Galiléia, no mesmo lugar do Primado e da profecia da morte, foi construído um modesto Santuário (até hoje), onde, em honra de São Pedro, está a cruz de cabeça para baixo, para significar: “de que modo Pedro morreu, para a glória de Deus" (João, 21, 19).