O Sínodo Amazônico, o espírito de Pachamama e o espírito de Elias: Chegou a hora do espírito do Santo Profeta Elias enfrentar o de Pachamama

Publicado no dia 02 Novembro 2019

02.11.2019 -

n/d

O que tem sido e para onde nos levará o Sínodo da Amazônia? Para responder a essa pergunta, não podemos nos limitar a fazer uma análise do documento final votado em 26 de outubro. O sínodo panamazônico faz parte de um processo que deve ser considerado na gradualidade de seus estágios e em seu contexto, incluindo a mídia, para entender seu objetivo final: a redefinição dos sacramentos e o sacerdócio hierárquico; a possibilidade de ordenar padres a homens casados e mulheres diaconisas; e, acima de tudo, a promoção de uma nova cosmologia eco-indigenista e cultos idólatras na Igreja Católica.

Quanto aos documentos elaborados nos últimos meses, as fases concatenadas entre si desse processo, nas quais cada etapa esclarece a anterior e anuncia uma nova, são: o documento preparatório de 8 de junho de 2018, o Instrumentum Laboris de 17 de junho passado, o documento sinodal de 26 de outubro de 2019 e, finalmente, a exortação pós-sinodal cuja publicação Francisco anunciou antes do final do ano, muito antes do esperado. Igualmente importante é o contexto em que o Sínodo foi realizado. O próprio documento final, em seu primeiro ponto, destaca a importância desse aspecto e lembra que “fora da sala de aula sinodal havia uma presença notável de pessoas vindas do mundo amazônico que organizaram atos de apoio em diferentes atividades, procissões, como abertura com canções e danças que acompanharam o Santo Padre, desde o túmulo de Pedro até a sala de aula sinodal. Isso impactou a “via crucis” dos mártires da Amazônia, além da presença maciça da mídia internacional ».

Pode-se falar, portanto, de um espírito do Sínodo que pairava sobre ele, da mesma maneira que se fala de um espírito do Concílio Vaticano II, que está associado aos seus documentos e constitui a chave para interpretá-lo. O símbolo desse espírito amazônico tem sido a imagem da Pachamama, deusa pagã da Terra e da fertilidade, que o próprio Papa Francisco queria defender contra supostas ofensas. De acordo com o documento sinodal, "a sabedoria dos povos ancestrais afirma que a Mãe Terra tem um rosto feminino" (nº 101) e a Igreja com um rosto amazônico é construída através do diálogo com as religiões indígenas e afrodescendentes, que "merecem ser conhecidas, compreendidas em suas próprias expressões e em sua relação com a floresta e a Mãe Terra »(nº 25).

A imagem de Pachamama, Mãe Terra das populações ameríndias, apareceu em 4 de outubro nos jardins do Vaticano, na véspera da inauguração do Sínodo, durante uma cerimônia realizada na presença do Papa Francisco e dos cardeais e bispos que é possível assistir em vídeo completo. No dia 7, o ídolo entrou em procissão na basílica de São Pedro, onde foi alvo de uma nova homenagem do Papa e dos Padres do Sínodo. Um dos principais arquitetos do Sínodo, o teólogo germano-brasileiro Paulo Suess, afirmou que “embora tenha sido um ritual pagão, o que foi feito é um culto de adoração. Um ritual sempre tem a ver com adoração e não ser capaz de fechar os olhos para a realidade (https://www.vaticannews.va/de/vatikan/news/2019-10/amazonien-synode-paolo-suess-indigenen -ritus-wert-zeit-kinder.html). As estatuetas de Pachamama foram instaladas mais tarde na Igreja de Santa Maria, na Transpontina, onde eram celebrados todos os dias rituais mágicos, que eles chamavam de Momentos de espiritualidade amazônica. No dia 19, a Pachamama voltou a aparecer na blasfema Via Crucis Amazônica, que ocorreu, entre outros, na presença do cardeal Pedro Barreto, vice-presidente da Rede Eclesiástica do Panamá, organizador de todos esses atos perversos.

Finalmente, no dia 21, católicos corajosos entraram na igreja profanada, apreenderam as estatuetas pagãs da Pachamama e as jogaram no Tibre. “O grande erro foi colocar ídolos na Igreja - afirmou o cardeal Gerhard Müller - e não retirá-los, porque, segundo a lei de Deus - o Primeiro Mandamento - a idolatria é um pecado grave e não deve ser misturado à liturgia cristã. . Tirá-los, jogá-los fora, pode ser contrário à lei humana, mas colocar ídolos na igreja tem sido um pecado grave, uma violação da lei divina »https://infovaticana.com/2019/10/28/muller-el-gran -erro-foi-colocar-ídolos-na-igreja /.

Mas em 25 de outubro, falando na sala de aula do Sínodo quase em resposta a Müller, o papa Francisco disse que ficou ofendido, mas não pela profanação, mas por aqueles que tentaram interromper essa profanação: «Boa tarde. Gostaria de dizer algumas palavras sobre as estátuas de Pachamama que foram retiradas da igreja Transpontine, que estavam lá sem intenções idólatras e foram jogadas no Tibre. Antes de tudo, isso aconteceu em Roma e, como bispo da diocese, peço desculpas às pessoas que se sentiram ofendidas por esse gesto ».

Um dos poucos bispos que hoje têm a coragem de dizer a verdade, monsenhor Athanasius Schneider, afirmou ao contrário que “a reação honesta e cristã ao dançar ao redor de Pachamama, o novo bezerro de ouro, no Vaticano, deve consistir em um protesto digno, uma correção desse erro e, sobretudo, em atos de reparação. Com lágrimas nos olhos e uma tristeza sincera no coração, devem ser oferecidas a Deus orações de intercessão e reparação pela eterna salvação da alma do papa Francisco, o vigário de Cristo na Terra, e a salvação daqueles padres e fiéis católicos que praticam tais atos de adoração, que são proibidos pela Revelação Divina ».

O culto de Pachamama obscurece ou melhor, lança uma luz sinistra sobre as propostas que foram expressas no Sínodo: a de “ordenar sacerdotes a homens idôneos e reconhecidos pela comunidade, que tenham um diaconato permanente, frutífero e recebam treinamento adequado para o presbiterado, podendo ter uma família legitimamente constituída »(nº 111); estabelecer um novo ministério da "mulher líder comunitária" e revisar o motu proprio do Paulo VI Ministeria Quedam para que as mulheres possam acessar os ministérios femininos, a ponto de que "em grande número" se sugeriu "o diaconato permanente para as mulheres" (nº 103). Sobre esse ponto, o Papa Francisco disse no discurso de encerramento que pretende pegar a luva jogada pelos padres para reabrir o debate em torno do diaconato feminino após a comissão que ele instituiu em 2016, após dois anos de trabalho , ainda não chegou a nenhuma conclusão.

Entre as propostas dos bispos que o Papa Francisco solicitou que fossem traduzidas em disposições oficiais está a "elaboração de um rito amazônico" (nº119) e a definição de um novo pecado, o ecológico, juntamente com a criação de um observatório sócio-pastoral -ambiental e um organismo para esse fim. O Sínodo Amazônico foi realizado em Roma e não na Amazônia, a fim de conferir valor universal às suas propostas, solicitações e decisões. O Papa Francisco deixará a aplicação concreta das inovações nas mãos de várias conferências episcopais, e os bispos alemães traçarão o caminho para a criação da nova Igreja de face amazônica, que não será outra coisa senão a Igreja de Pachamama. Antes, a igreja idólatra de Pachamama estabeleceu-se na única Igreja de Cristo. Tudo veio à luz. Chegou a hora do espírito do santo profeta Elias enfrentar o de Pachamama.

n/d

Finalmente, no dia 21, católicos corajosos entraram na igreja profanada, apreenderam as estatuetas pagãs da Pachamama e as jogaram no Tibre. “O grande erro foi colocar ídolos na Igreja - afirmou o cardeal Gerhard Müller - e não retirá-los, porque, segundo a lei de Deus - o Primeiro Mandamento - a idolatria é um pecado grave e não deve ser misturado à liturgia cristã. . Tirá-los, jogá-los fora, pode ser contrário à lei humana, mas colocar ídolos na igreja tem sido um pecado grave, uma violação da lei divina »https://infovaticana.com/2019/10/28/muller-el-gran -erro-foi-colocar-ídolos-na-igreja /. Mas em 25 de outubro, falando na sala de aula do Sínodo quase em resposta a Müller, o papa Francisco disse que ficou ofendido, mas não por profanação, mas por aqueles que tentaram interromper essa profanação: «Boa tarde. Gostaria de dizer algumas palavras sobre as estátuas de Pachamama que foram retiradas da igreja Transpontine, que estavam lá sem intenções idólatras e foram jogadas no Tibre. Antes de tudo, isso aconteceu em Roma e, como bispo da diocese, peço desculpas às pessoas que se sentiram ofendidas por esse gesto ».

Um dos poucos bispos que hoje têm a coragem de dizer a verdade, monsenhor Athanasius Schneider, afirmou ao contrário que “a onesta e a reação cristã a dançar ao redor do Pachamama, o novo bezerro de ouro, no Vaticano deve consistir em um protesto digno, uma correção desse erro e, sobretudo, em atos de reparação. Com lágrimas nos olhos e uma tristeza sincera no coração, devem ser oferecidas a Deus orações de intercessão e reparação pela eterna salvação da alma do papa Francisco, o vigário de Cristo na Terra, e a salvação daqueles padres e fiéis católicos. que praticam tais atos de adoração, que são proibidos pela Revelação Divina ».

Fonte: Adelante la fé  via  romadesempre.blogspot.com