Cardeal Müller alerta que "centenas de milhares" deixarão a Igreja por causa da idolatria de Pachamama permitida pelo papa

Publicado no dia 28 Novembro 2019

27.11.2019 -

n/d

25 de novembro de 2019 (LifeSiteNews) - O ex-chefe de doutrina do Vaticano alertou que "centenas de milhares" de católicos da região amazônica deixarão a Igreja como resultado de serem escandalizados ao ver vídeos do ídolo pagão "Pachamama" sendo adorado em cerimônias durante o Sínodo Amazônico recentemente concluído em Roma.

n/d

O cardeal Gerhard Müller, 71, disse ao jornal católico alemão Die Tagespost que fotografias das esculturas de “Pachamama” usadas durante as celebrações no recente Sínodo sobre a Pan-Amazônia exacerbaram sentimentos anticatólicos na região e desencadearão um êxodo em massa .

"Toda essa triste história apoiará muitas seitas agressivas e anticatólicas na América do Sul e em outros lugares que, em suas polêmicas, sustentam que os católicos são adoradores de ídolos e que o papa a quem eles obedecem é o anticristo", disse Müller.

“Centenas de milhares de católicos na região amazônica e onde quer que os vídeos desse espetáculo romano tenham sido vistos deixarão a Igreja em protesto”, continuou ele.

"Alguém pensou nessas conseqüências ou apenas presumiu que isso fosse um dano colateral?"

Müller foi escolhido por seu amigo Bento XVI como prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé em 2012. Ele foi demitido do cargo pelo Papa Francisco em 2017.

Em entrevista anterior ao Die Tagespost, o cardeal elogiou as ações de Alexander Tshugguel, o jovem leigo austríaco que removeu cinco cópias da estátua "Pachamama" da Igreja de Santa Maria em Traspontina e as jogou no rio Tibre.

Voltando ao assunto, Müller observou que os profetas do Antigo Testamento haviam se comportado ainda mais fortemente contra os ídolos, assim como São Bonifácio, apóstolo dos alemães, quando derrubou um carvalho sagrado ao deus Thor e fez uma capela cristã fora dele. Ele sugeriu que, se os apóstolos tivessem pertencido a essa "era de auto-secularização" na Igreja, eles teriam condenado o próprio Cristo por danos materiais e agressão quando ele limpou o Templo dos cambistas.

As misteriosas figuras de madeira, que foram identificadas pelo Papa Francisco como "pachamamas", foram usadas em cerimônias nos Jardins do Vaticano, em igrejas e em uma rua romana. Em uma cerimônia realizada nos jardins do Vaticano em 4 de outubro, os fiéis se prostraram diante das imagens. Nesta e em outras ocasiões, eles dançaram ao redor deles.

O cardeal afirmou que essas cerimônias não poderiam ser explicadas como um exercício de inculturação.

"Você não pode minimizar o alarido, que foi patrocinado por muitos euros, como inculturação, ou respeito por outras culturas, ou mesmo reconhecer as figuras pintadas de fertilidade feminina como um símbolo pró-vida", disse ele.

O cardeal estabeleceu uma fronteira entre a veneração dos santos cristãos e a adoração de símbolos pagãos. Ele disse que as representações dos santos e suas relíquias são apenas "lembranças" deles e são honradas como testemunhas da graça de Deus. Eles não são adorados e glorificados como se fossem Deus.

A adoração de ídolos não tem lugar na fé católica. Sugerindo que algumas das pessoas que participaram dos rituais de Pachamama em Roma talvez não fossem católicas, o cardeal disse que não tinha o direito de realizar "seus ritos pagãos ou não católicos" nas liturgias católicas.

Müller também citou a Carta de São Paulo aos Efésios, dizendo "que nenhum idólatra tem herança no reino de Cristo e de Deus" (Ef. 5: 5).

O uso das estátuas de Pachamama foi condenado por vários outros prelados, incluindo o bispo emérito José Luis Azcona Hermoso, da cidade brasileira de Marajó.

“A Mãe Terra não deve ser adorada, porque tudo, até a Terra, está sob o domínio de Jesus Cristo. Não é possível que haja espíritos com poder igual ou superior a Nosso Senhor ou da Virgem Maria ”, declarou o Bispo Emérito em uma homilia de 20 de outubro na catedral do estado do Pará.

Dirigindo-se a uma sugestão de um jornalista inglês de que as imagens de madeira representavam a Virgem Maria, Azcona disse: “Pachamama não é e nunca será a Virgem Maria. Dizer que esta estátua representa a Virgem é uma mentira. Ela não é Nossa Senhora da Amazônia, porque a única Senhora da Amazônia é Maria de Nazaré. Não vamos criar misturas sincretísticas. Tudo isso é impossível: a Mãe de Deus é a rainha do céu e da terra. ”

“A invocação das estátuas diante das quais até alguns religiosos se curvaram no Vaticano (e eu não mencionarei a qual congregação eles pertencem) é uma invocação de um poder mítico, da Mãe Terra, do qual eles pedem bênçãos ou fazem gestos de gratidão. Estes são sacrilégios demoníacos escandalosos, especialmente para os pequenos que não conseguem discernir ”, acrescentou mais tarde.

Fonte: www.lifesitenews.com  via  www.sinaisdoreino.com.br