ESCRITOS DE SÃO FRANCISCO - CARTA AOS FIÉIS

Publicado no dia 11 Fevereiro 2014

Escritos de São Francisco
CARTA AOS FIÉIS
( Exortação aos irmãos e irmãs da penitência)
Em nome do Senhor
(Cap. II) Dos que não fazem penitência.

( Exortação aos irmãos e irmãs da penitência) Em nome do Senhor! (Cap. II) Dos que não fazem penitência Todos aqueles e aquelas, porém, que não fazem penitência, não recebem o corpo e o sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo, vivem no vício e no pecado, no caminho da má concupiscência e dos maus desejos de sua carne, não observam o que prometeram ao Senhor, servem ao mundo com seu corpo cedendo aos desejos carnais, às solicitudes e aos cuidados deste mundo: escravos do demônio, de quem são filhos e cujas obras praticam (cf. Jo 8,41), são cegos, porque não vêem a verdadeira luz, Nosso Senhor Jesus Cristo. Não possuem a sabedoria espiritual porque não possuem o Filho de Deus, que é a verdadeira sabedoria do Pai. E é deles que se diz: "Sua sabedoria foi tragada" (Sl 106,27), "malditos os que se apartam de teus mandamentos" (Sl 118,21). Veem e conhecem, sabem e fazem o mal, perdendo eles mesmos suas almas. Reparai, ó cegos, enganados pelos vossos inimigos, a carne, o mundo e o demônio: é agradável ao corpo praticar o pecado e amargo servir a Deus. Pois, como diz o Senhor no Evangelho (cf. Mc 7,21), todos os vícios e pecados "procedem do coração do homem". Nada tendes de bom neste mundo nem no outro. E pensais fruir por muito tempo das vaidades deste mundo, mas vos enganais, porque virá o dia e a hora na qual não pensais, e que ignorais completamente. Adoece o corpo, a morte chega e deste modo morre na amargura da morte. Onde, quando e como quer que um homem venha a morrer em pecado mortal, sem penitência e satisfação, se pode satisfazer e não satisfaz, o demônio lhe arranca a alma do corpo sob tal angústia e tribulação, que ninguém pode saber a não ser quem o experimenta em si mesmo. Todos os talentos, todo poder, toda "ciência e sabedoria" (2Cr 1,12) que julgavam possuir "ser-lhes-ão tirados" (cf. Lc 8,18; Mc 4,25). Deixam seus bens aos parentes e amigos. Estes se apossam deles e os distribuem entre si e depois dizem: "Maldita seja sua alma, porque ela poderia ter dado e ganho para nós muito mais e não o fez". Os vermes devoram o corpo e a alma neste breve século, indo para o inferno, onde serão atormentados por toda a eternidade.

A todos que receberem esta carta, rogamos na caridade, que é Deus (cf. 1Jo 4,16), que acolham benignamente, com divino amor, estas odoríferas palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo. E os que não sabem ler façam-nas ler com frequência por outros, tenham-nas consigo e as ponham em prática numa vida santa até ao fim, pois "são espírito e vida" (Jo 6,63). E aqueles que as não observarem terão de "dar contas delas no dia do último juízo" (Mt 12,26), "diante do tribunal de Nosso Senhor Jesus Cristo" (Rm 14,10).

- ESCRITOS DE SÃO FRANCISCO -
CARTA A TODOS OS CLÉRIGOS

Consideremos todos nós clérigos o grande pecado e ignorância que alguns manifestam com relação ao Santíssimo Corpo e Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo e seu Santíssimo Nome e palavras escritas que tornam santamente presente o Corpo (de Cristo). Sabemos que o corpo não pode estar presente se antes não for tornado presente pela palavra. Pois nada temos nem vemos corporalmente d'Ele, do próprio Altíssimo, neste mundo, senão o Corpo e o Sangue, os nomes e as palavras pelas quais fomos criados e remidos "da morte para a vida" (I Jo 3,14). Logo, todos aqueles que administram tão sacrossantos mistérios e especialmente aqueles que os ministram sem a reta discrição, considerem no seu intimo como são vulgares os cálices, corporais e panos de linho sobre os quais é oferecido em sacrifício o Corpo e Sangue de Nosso Senhor. E muitos o guardam em lugares bem comuns e o levam de modo lamentável (pela rua) e o recebem indignamente e o ministram indiscriminadamente. Igualmente os seus nomes e palavras escritas são às vezes calcados aos pés; pois "o homem animal não percebe as coisas de Deus" (I Cor 2,14). Não excitam porventura tais fatos a nossa piedade e devoção por esse bom Senhor quando se digna vir colocar-se Ele próprio em nossas mãos e nós o tocamos e o recebemos todos os dias em nossa boca? Ou ignoramos que um dia havemos de cair em Suas mãos? Emendemo-nos pois depressa e firmemente dessas e de outras faltas. Onde quer que o Santíssimo Corpo e Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo for conservado de modo inconveniente ou simplesmente deixado em alguma parte, que o tirem dali para colocá-lo e encerrá-lo num lugar ricamente adornado. De modo igual sejam recolhidos e colocados em lugar decente os nomes e palavras escritos do Senhor sempre que forem encontrados em lugares imundos. Sabemos perfeitamente que estamos estritamente obrigados a observar tudo isto, em virtude dos Mandamentos do Senhor e dos preceitos da santa Mãe Igreja, e os que o não fazem saibam que deverão prestar contas perante Nosso Senhor Jesus Cristo no dia do juízo. E os que mandarem copiar esta carta a fim de que seja mais amplamente observada saibam que serão abençoados por Deus nosso Senhor.

Frei Francisco, o menor dos servos de Deus.

Quem é você, Francisco?

Hoje sou seu irmão,

mas fui um jovem,
que procurava o prestígio,
a riqueza e o poder...

vivi uma juventude agitada e superficial,
mas senti um grande vazio...

Foi então, quando me encontrei
com o Bom Amigo Jesus,
e O vi pobre e crucificado...

Tomei minha decisão quando vi que Jesus se fez pobre por nós...

quando ouvi que nos mandava ser irmão de todos...
quando O vi humilhado e servindo,
sem ter onde reclinar a cabeça.

Ele me conduziu entre os pobres e os leprosos,
entre os mendigos e entre os que desconheciam o Evangelho.

E me propus a seguir Seus passos...
quis ser um semeador de Paz e Bem para todos os homens...
quis compartilhar as alegrias e esperanças,
as tristezas e angústias de toda a humanidade.

Descobri então o que significa
realmente o amor a Deus e o amor aos irmãos...

É Ele que nos ensina que temos um Pai em quem confiar...
e que esse Pai é o Único, total e Sumo Bem.

São Francisco de Assis Cantor da Paz e da Alegria.